desaforismos (segunda temporada): 5

foto | stephan zirwes

 

 

50. a não-ficção é uma ficção.

51. não há jornais no paraíso.

52. é desfaçatez dizer que alguém foi surpreendido pela morte. é da natureza dos vivos não esperarem por ela, mas bobagem dos sobreviventes supor que ela não vem.

53. uma vida nunca cabe nas páginas de um livro, mas isso jamais impediu um biógrafo de escrever.

54. há pessoas que passam tempo demais ocupadas em viver.

55. deus é um crápula autoritário que não admite réplicas. é claro que existe. chama-se pai.

56. deus é o invasor.

57. escritores, a corporação dos mentirosos compulsivos.

58. deus, cujo pseudônimo é shakespeare, importa-se bem pouco com atos humanos, mas desenha-os de forma refinada mesmo assim.

59. toda conquista tem um componente de silêncio desesperado.

 

2 comentários sobre “desaforismos (segunda temporada): 5

  1. vanessaaquino 19/07/2012 / 9:56

    “escritores, a corporação dos mentirosos compulsivos.”… além de mentiroso, há algo de louco no escritor?
    foucault diz que “por trás de todo escritor esconde-se a sombra do louco que o sustenta, o domina e o recobre”.
    é isso mesmo, senhor escritor?
    beijo.

    Curtir

    • paulopaniago 19/07/2012 / 12:56

      parece que o foucault sabia das coisas, né? haha. certo, a sombra do louco. confere, acho. escrever para não enlouquecer, na verdade. escrever em vez de enlouquecer, por aí. beijo.

      Curtir

deixe um comentário ou um desaforo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s