formação

 

 

ele começou a ser expelido para fora de si mesmo como a lava sai do vulcão: fumegante e perigosa.

o primeiro sintoma foi uma crise de vômito que se estendeu por três dias. a isso seguiu-se uma escamação da pele e, por último, mudança de postura. achou que era hora de deixar de ser o órfão involuntariamente abandonado pelos pais para virar o amo e senhor do próprio destino. transformou o lamento num grito e depois num urro. olhem para mim, gabou-se mais tarde cheio de orgulho, fazendo tudo isso. fato é que a exuberância lhe caía bem.

 

8 comentários sobre “formação

  1. thaís 21/08/2012 / 22:08

    daqueles textos que dá vontade de tirar do papel e levar para a vida real. e por que não, né? verdade é que todo mundo precisa passar por algo assim… gritemos! belíssimo, parabéns. beijo.

    Curtir

  2. mirian oliveira 18/09/2012 / 6:18

    paulo, tive a impressão de que esse post fala um pouco sobre o matias, personagem do seu romance “deriva”. ou será que quase tudo, aqui no blog, tem a ver com o matias?

    em entrevista, clarice lispector pergunta a jorge amado qual de seus personagens é mais parecido com ele. resposta do meu amado jorge: “todos os personagens têm um pouco do autor, não é assim, clarice?”

    Curtir

    • paulopaniago 18/09/2012 / 8:36

      eu pensei que ia responder que não, mirian. ia alegar a data como desculpa, dizendo que tudo o que for anterior ao dia 15 de agosto não pode ser atribuído ao matias (é a data em que tive a ideia e comecei a escrever o romance). mas vi que a data é de cinco dias mais tarde. então não tenho saída. tem, sim, a ver com matias, que tem, sim, a ver comigo. mas é tudo ficção…

      Curtir

  3. mirian oliveira 19/09/2012 / 7:12

    até não-ficção é ficção? ………… ihhhhhhhhhh… deu nó.

    Curtir

    • paulopaniago 19/09/2012 / 9:24

      sobretudo a não-ficção é a maior ficção, a mais bem feita, haha. leia roth, por exemplo, que tem um personagem chamado philip roth e deixa todo mundo pensar que é “real” (a narrativa é realista), até que escreve uma distopia no romance complô contra a américa, como que para dizer aos leitores, estão vendo?, falei para vocês não acreditarem porque era tudo ficção…

      Curtir

deixe um comentário ou um desaforo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s