forasteiros e a baixa receptividade de certos lugares

arte | fairfield porter
arte | fairfield porter

 

 

quando as pessoas dizem que aquela era uma cidade esquecida por deus não estavam sendo irônicas, a cidade de fato pertencia a um canto remoto da prateleira escondida das preocupações divinas, tão assoberbadas com questões mais prementes. o isolamento, o esquecimento, a pasmaceira têm lá suas vantagens, embora no momento eu não consiga dizer quais são. de modo que quando aquele forasteiro cruzou os limites da cidade e entrou no único bar para pedir bebida (pela qual pagou) e informação, uma convocatória apressadas do conselho municipal foi feita, uma decisão apressada, votada, e uma execução tão sumária quanto precisa, providenciada. alguém poderia lastimar o esquecimento divino que permitia conduta tão atroz, mas era raro demais o evento de um estrangeiro qualquer encontrar a estrada remota, praticamente perdida nos confins de não-sei-onde. não, de modo algum é surpresa que deus continuasse ausente, cuidando de outros assuntos. ele depois que terminou a criação parece que ficou apenas admirado com o próprio trabalho e nunca mais agiu.

 

deixe um comentário ou um desaforo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s