díptico (parte 2)

imagem | michal mozolewski
imagem | michal mozolewski

 

 

havia um escritor e diante dele uma história iniciada, da qual ele não fazia parte, nem como personagem, nem como narrador. apenas a mão agia, na continuidade do cérebro, deslizando a caneta sobre papel, um bloquinho pautado cinza. a história, parece, envolve um cão vadio e a indecidibilidade de continuar. ele apoia o cotovelo na mesa, a cabeça na mão, dá um suspiro e parece sem vontade de suspirar, um suspiro cansado, boçal. a história não avançará sozinha, é notório. precisa da mão, das façanhas do cérebro, esse melindroso. ora a mão desliza a toda, ora hesita, a caneta parada no ar seco da tarde, como se fungasse em redor para dali extrair a essência. não sei para aonde esta história vai, o escritor redige, a caneta aflita a desenhar palavras ditadas pelo cérebro. e pouco tempo depois, começa outra, em que registra: havia um escritor e diante dele uma história iniciada. os ciclos e espirais de giambattista vico, ele pensa e talvez, no fim da outra história, registre por escrito. então se pergunta para aonde vão as ideias não aproveitadas nas narrativas, mas não sabe a resposta.

 

2 comentários sobre “díptico (parte 2)

  1. olá.
    dizer que estou encantada com seus escritos não dá conta. então só digo que me obriguei a parar de ler porque preciso mesmo ir dormir, mas eu volto.

    Curtir

deixe um comentário ou um desaforo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s