desaforismos (segunda temporada): 27

atrás-da-cortina

 

 

270. louco, um sujeito que sonha mesmo acordado.

271. o elefante caminha em câmara lenta.

272. o tímido é um ousado com disfarce de covarde.

273. o passado, esse fantasma criminoso que insiste em assombrar sem trégua.

274. para deus, a língua é sempre pomposa: tu crês, vós quereis.

275. o mundo nunca está no lugar, sem jamais ter saído dele.

276. escrevo para reforçar e superar a solidão em que me encontro.

277. suicídio é a arma dos exasperados.

278. esporte existe para exaltar as diferenças.

279. quem muito pensa, muito sofre.

 

5 comentários sobre “desaforismos (segunda temporada): 27

  1. aurea cristina szczpanski 23/11/2013 / 22:34

    o 276 me fez lembrar fernando pessoa: ser poeta não é uma ambição minha./é a minha maneira de estar sozinho.; o 279 também: “pensar incomoda como andar à chuva”… intertextos…
    no mais, todos estes seus desaforismos fazem sentido pra mim.

    Curtir

  2. zuleica 24/11/2013 / 12:05

    vc é 10, amigo, belas palavras.

    Curtir

deixe um comentário ou um desaforo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s