não há saída para os poetas

livros

 

 

pediram ao poeta que apresentasse currículo, se quisesse concorrer à vaga. era poeta na poesia, nos livros e saraus, ali era um ser humano como outro qualquer e a ele se aplicavam as mesmas regras. o poeta sentou-se à mesa, tentou uma versão manuscrita. depois tentou outra no computador, chafurdando em velhos documentos atrás de informações que pudessem ser relevantes e consideráveis. na sequência de uma noite passada em claro, fez a opção pelo currículo poético, mas não há poesia em colocar o próprio nome, endereço e telefone no papel. o único currículo poético que conhecia era um bem simples, do urbanista lucio costa, que colocou nome, endereço e telefone, escola onde teve formação superior e a linha fatídica de experiência anterior: “responsável pelo projeto urbanístico de brasília”. um sujeito desses ainda pode se dar ao luxo da concisão, pensou o poeta, com as três laudas e um possível futuro burocrático no serviço público nacional com capacidade de lhe matar a poesia. o fundamental teria que ser posto na lista de espera.

 

4 comentários sobre “não há saída para os poetas

  1. bfmaya 13/12/2013 / 16:33

    essas burocracias que secam a alma fértil de artistas desiludidos com a vida…

    em processo de secamento.

    Curtir

deixe um comentário ou um desaforo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s