Fazer da derrota vitória

Imagem | Ferdy Remijn
Imagem | Ferdy Remijn

 

 

Fomos para a piscina assim que acordamos. Era bom estar na casa de um amigo bem de vida que mantinha piscina no quintal, à espera de livrar nossos corpos dos efeitos da ressaca. Redenção pela água, alívio dos pecados alcoólicos. Um fogo-pagou anunciou presença como se exigisse ser reconhecido, os cachorros vizinhos expressaram vontades de lhe estraçalhar as entranhas, aqueles cães são uns brutos disfarçados de amor incondicional que reservam somente aos humanos, crianças sobretudo. Beto pôs as mãos sobre o rosto, depois empurrou os cabelos para trás, como se quisesse arrancá-los pela raiz de uma vez. Abandonado por Marina, que deu no pé com Olavo, considerado a partir de então traidor, Beto não mede esforços para estragar o próprio corpo, como se ainda precisasse se punir por ter sido largado. Tornou-se fingidamente cínico, mas não passa de bebê chorão e às vezes é preciso lhe dar uma descompostura. Também, lamuriento como você está, quem aguenta?, alguém lhe diz, para ver se melhora. Ele engole o choro, feito menino, depois sucessivos copos, para ver se consegue se manter anestesiado por mais um dia. A verdade é que somos todos um tanto imaturos, pelos variados motivos que nossas histórias estimulam ou reconhecem. E a verdade também é que bebemos demais na festa de ontem, a pretexto de afogar mágoas que agora queremos ressuscitar na piscina. Bem, vá lá, não as mágoas, mas o que restou de nossos próprios corpos infames. Berna ameaçou vomitar na água, foi expulso. Ocupou o banheiro dos fundos e ouvimos suas tripas sendo excomungadas para fora do corpo, em profusão. Aquilo parecia não ter fim, como cabia tanta coisa naquele cara? Enfim, silêncio. Tranquilidade relativa. O resto de nós na flutuação, esperando clemência do sol em seu trabalho implacável. Berna saiu um fantasma da casinha, proibido por unanimidade de voltar à piscina. Nos resta um fio de honra, alguém lhe advertiu, chamando-o nojento. Ele prometeu bochechar com algo refrescante e voltar à piscina em breve, também era filho de Deus, o que nos anunciou com voz pastosa, como se estivesse primeiro mastigando as palavras antes de proferir. Parecíamos o exército da derrota depois da batalha de nossas vidas e houve um cretino que anunciou essa exata imagem, como se ainda fosse necessário ouvir a verdade naquele momento, algo que tenho certeza de que estávamos dispostos a deixar para outra ocasião e oportunidade. A questão profunda, sabíamos, era que a ressaca apontava nossa desclassificação não só momentânea, mas na guerra da vida de modo geral, ela assinalava o quão perto estávamos de assinar a rendição definitiva. Nem pensar em virar o jogo, em mudar de perspectiva. Nem o fato de estarmos produzindo aquelas análises de nossas perdas e danos na piscina do Setúbal aliviava a nenhuma consciência de que dispúnhamos. Mas depois de duas horas de tratamento aquático, à base de suco de tomate, hidratantes, antieméticos, cafeína em variadas formas, água de coco, a promessa do organismo de aguentar outra rodada se num futuro distante, recebemos a visita de Mariza. Nossas lamentações estavam na fase próxima ao esgotamento. Mariza é o mais perto que temos do que seja Musa, pelos mais variados motivos e razões. Alguns conseguiam sorrir de novo. É impressionante como a vida sabe renovar os ciclos, para a nossa glória, amém, para a nossa salvação, amém, para a continuidade dos trabalhos até o sem-fim dos tempos, amém, e a perpetuação inesgotável dos fígados, amém. À noite estaríamos de volta as nossas respectivas casas, restaurados parcialmente para o enfrentamento de pelo menos mais um round, outra semana, apoquentações, trabalho, contas pagas e renovadas. No próximo fim de semana estaríamos loucos por um pretexto para celebrar a vida, beber e comemorar antes que ela finalmente chegasse ao fim.

 

deixe um comentário ou um desaforo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s