CONTÍCULOS (130) Verdade seja dita

 

 

Nas fotos o tempo nunca passa. O sorriso é sempre novidade. As lembranças de viagem ajudam a memória a sorrir.

O espelho é um sujeito implacável, mas a memória suaviza um pouco e é possível envelhecer mais devagar do que se imagina, embora o tempo sempre corra rápido demais.

Mais ou menos fora de ordem: o banheiro invadido, o espelho ocupado, a cama conquistada, fronhas amarfanhadas, a penteadeira repleta, traços por toda parte, muitos terrenos perdidos.

Entretanto, é possível fazer a contabilidade torta das pequenas conquistas. Só não peça balanços e saldos. Vida não é economia, ao contrário do que pensam os economistas. Mesmo que fosse, haveria sempre um déficit para impedir de fechar as contas. Sai-se sempre no prejuízo, no acerto final.

 

 

— Paulo Paniago