CONTÍCULOS (131) Nada de improvisar

 

 

No intervalo de cada apocalipse o amor realiza o possível para permitir que a vida seja tocada em frente.

Nunca é demais lembrar que todos se julgam protagonistas do filme das próprias vidas, ninguém quer ser coadjuvante de si mesmo.

Embora o diretor, também conhecido como história universal ou destino, berre em cada ouvido que no roteiro não está bem assim.

 

 

— Paulo Paniago