CONTÍCULOS (138) De onde vem a memória

 

 

Nascer é brutal (mas disfarçamos tanto: flores, visitas, sorrisos, promessas). A falta de memória é requisito essencial, a mesma que vai acometer cada um quando entrar no território da morte.

Os primeiros anos são talvez para acomodar o trauma do nascimento. Só então se torna possível desenvolver os músculos da memória, que aliás vai definir muito do que qualifica viver.

 

 

— Paulo Paniago

 

CONTÍCULOS (136) Manutenção de segredos

 

 

Pode me dizer, ele disse. Seja o que for.

Mas nem todo mundo está preparado para ouvir seja o que for.

Algumas resistências são implacáveis, talvez necessárias à sobrevivência nessa selva dos relacionamentos.

O que ela tinha a dizer, sobre ele, era muito duro e denso. Sobre caráter, postura, atitudes. Havia um equilíbrio indelicado em andamento, um desequilíbrio delicado, uma delicadeza manca.

A vida não é festa e não tolera amadores.

 

 

— Paulo Paniago