Mudança e volta

Foto | Gianni Berengo Gardin
Foto | Gianni Berengo Gardin

 

 

Mestre absoluto no quesito procrastinação, ele achou que passara da hora de mudar de hábitos e tornar-se ativo, antes que a preguiça lhe criasse de vez raízes profundas demais para serem arrancadas. Tentou dança de salão, ciclismo, esgrima, golfe e meditação, atletismo, saltos ornamentais (desistiu porque achava os ornamentos inapropriados para um mundo em combustão). Tentou o mais difícil dos combates ao ostracismo: o cultivo das amizades, noites de debate ou saídas ao bar, discussões terapêuticas a respeito de política e economia, os desrrumos da nação, o impalpável do pensamento. Tudo aquilo, no entanto, parecia-se demais com um agitar-se desesperado que lhe impedia de ver o vazio no centro de sua vida, o grande e impactante vazio a ser preenchido talvez com memória, como fazem os escritores? Ou com lamentos, como fazem os nostálgicos excessivos. Procrastinar é exercício suficiente, proferiu e preferiu, estimula a pensar, a ter ideias, a imaginar mundos. E o que o mundo precisa é de alguém que o imagine com bastante intensidade. Nisso acho que todos estão de acordo.

 

origem da infelicidade

foto | alexandre boudet
foto | alexandre boudet

 

 

sempre busquei o ponto onde tudo desandou. às vezes suponho que ser humano é que nem massa de bolo, tem tempo certo para mexer e para deixar no forno, do contrário perde a liga. sou dos que perderam liga, desandei. fico pensando que se conseguisse o ponto, se ele fosse um só, pronto, eu poderia me arrumar, dar jeito em mim, colocar minha vida na direção correta. mas também não fico paranoico, pensando só e exclusivamente nisso, porque sei que é um erro, se fizer isso sou capaz de perder a vida nessa busca inútil. eu busco, mas também me ocupo de outras coisas, vou ao cinema, pedalo, remo, viajo, às vezes sorrio, mas não muito. e às vezes penso qual foi o ponto de virada, aquele em que perdi a liga, em que tudo desandou. a resposta não vem, mas sei que ela está lá, à espera de ser encontrada, paciente, a minha espera. talvez nessas outras coisas que faço. mas não há certezas, sobretudo não há certezas.