Memórias embaladas

Foto | José Diniz
Foto | José Diniz

 

 

Passou a noite acordado, cheirando carreira depois de carreira de cocaína e ingerindo uísque em quantidades que beiravam a overdose. Depois viria a rebatida, estava ciente, uma ressaca física e moral, a constipação das narinas, a mente encolhida ao essencial ou nem isso. Mas naquele momento, a cabeça a mil. Memórias, pensou. Conexões difusas se estabeleceram. Ter consciência da memória — usufruir dela — é ao mesmo tempo o que salva e a maldição: estar condenado às lembranças (o que fazer com elas? Emocionar-se toda que vez que acessá-las? Bá), saber, por memória, que do mesmo jeito que os antepassados morreram você também vai morrer um dia. Só não há, não pode haver, memória do amanhã. O acúmulo do passado é a ruína do presente, a lentidão cada vez mais intensa do rio que recusa a gravidade e se submete a ela com morosidade. Ele precisa dar jeito nesse monturo de ruínas, descartá-las, reciclá-las, sei lá o quê, mas dar jeito. Só não será com a aceleração do presente promovida pela combinação de cocaína e uísque. Mas talvez a essa conclusão ele não chegue, se a overdose vir antes e só — e apenas só — se for fatal.