República do protesto

touro

 

 

As pessoas estavam se manifestando o tempo todo, a respeito de rigorosamente tudo. Não saíam de casa sem um cartaz na mão que dissesse o quão revoltadas estavam com o estado das coisas. Havia cartazes engraçados, provocadores, irônicos, desaforados, impertinentes, havia de tudo, até um sujeito que se revoltou contra a trajetória e a direção da Lua em torno da Terra e desta em torno do Sol. “Melhor girar para o outro lado”, sugeria o cartaz revoltoso. Um sujeito, solitário e com os olhos meio arregalados nas órbitas, protestou sozinho contra o que seu cartaz chamava de epidemia dos protestos. Esse foi o único cidadão que enviaram para a cadeia e impediram de manifestar o pleno exercício da alegada democracia e liberdade de expressão. Já pensou se a moda pega?, comentou o juiz que lhe deu a sentença, repreendendo-o na corte.